Desfile de 25 de Abril de 2017

 

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DEFICIENTES
COMUNICADO
IRS 2013

O agravamento brutal dos impostos sobre os rendimentos do trabalho para 2013, não poupa os vencimentos dos trabalhadores e pensionistas com deficiência.

Os trabalhadores do sector privado e pensionistas com deficiência veem baixar, respectivamente, mais de 100 euros mensais e mais de 200 euros mensais, os escalões de IRS que os isentavam do pagamento deste imposto. A esta perda soma-se a sobretaxa de 3,5%, a que também não foram poupados.

Em 2012, o vencimento de um trabalhador com deficiência, não casado, estava isento de IRS até ao limite de 1.391,00. Em 2013 este limite desceu para 1.290,00 euros. No caso dos pensionistas, em 2012, a isenção verificava-se, até ao limite 1.693,00, tendo sido alterada para 1.487,00 em 2013.

Se a descida real dos rendimentos de trabalho vai ter repercussões desastrosas na vida dos portugueses em geral, os trabalhadores com deficiência, sem alternativas para fugir aos custos acrescidos a que têm de fazer face, e que resultam na sua esmagadora maioria da incapacidade do Estado para eliminar as barreiras físicas, de comunicação e de informação, serão particularmente afectados por este aumento de impostos.

A Associação Portuguesa de Deficientes repudia que o esforço pedido aos portugueses para baixar o défice e pagar os juros obscenos, exigidos pela Troika pelos empréstimos ao País, tenha de ser quase totalmente suportado pelos trabalhadores e pensionistas. Mais repudia que esse esforço atinja trabalhadores com baixos rendimentos e grupos vulneráveis como é o caso das pessoas com deficiência.

Lisboa, 15 de Janeiro de 2013

 

icon 2013 Tabelas de I.R.S.

 

 

RGPD - Regulamento Geral de Proteção de Dados

 

De acordo com o Regulamento Geral de Proteção de Dados, os dados recebidos através das páginas web, serão processados informaticamente e a sua utilização destina-se exclusivamente para uso interno para responder às questões e formalizar diligências junto das entidades responsáveis. O utilizador deve ter conhecimento de que os dados inscritos irão circular numa rede aberta até ao seu registo na Base de Dados, podendo ser intercetados por terceiros. Aos utilizadores é garantido o acesso aos dados para eventual correção ou eliminação. 

A Associação Portuguesa de Deficientes não fornecerá os dados pessoais a entidades terceiras, e só em situações de necessidade de identificação para resolução das suas questões, haverá uma comunicação prévia solicitando a sua autorização para fornecer os seus dados a entidades terceiras, nomeadamente Câmaras, Hospitais, e Instituições Públicas, pelo que, a sua utilização pressupõe o conhecimento e aceitação destas condições.

 

Poderá consultar mais informações sobre o Regulamento (UE) 2016/679 do Parlamento Europeu e do Conselho de 27 de abril de 2016 e a sua aplicação em https://www.cnpd.pt/bin/rgpd/rgpd.htm