Desfile de 25 de Abril de 2017

 

“A inauguração do theatro de D. Amelia, o novo theatro da rua do thesouro Velho, foi, como era de prever e como de justiça era, o acontecimento culminante da semana.”

 

Há 125 anos, o São Luiz abriu portas, batizado Theatro D. Amelia em honra da rainha que nesse dia 22 de maio celebrava o aniversário. Festejamos a data voltando a levar a palco a opereta que inaugurou o Teatro, A Filha do Tambor-Mor. Fazemo-lo como forma de recuperar a história, mas também olhando o que aí vem, chamando as escolas artísticas do País a juntarem-se ao diretor musical e maestro da orquestra Cesário Costa, ao encenador António Pires, ao maestro do coro Paulo Vassalo Lourenço, ao figurinista Dino Alves, à coreógrafa Aldara Bizarro e a A Tarumba – Teatro de Marionetas. Ao todo, são cerca de 150, os artistas envolvidos no espetáculo.

De 22 a 26 de maio, a festa dos 125 anos faz-se. Contamos convosco para apagar tantas velas.

 

“O theatro teve uma enchente enorme e a impressão produsida pela formosa sala, pelo elegante jardim envidraçado que serve de botequim, pelo artístico e riquíssimo foyer da 1ª ordem fez em toda a gente a mesma impressão de deslumbramento, todos estavam maravilhados, encantados, com o novo theatro e todos tinham rasão de estar, porque o theatro D. Amelia é o mais elegante e bonito de todos os nossos teatros.”

 

Todas as reservas para espetadores que queiram usar o serviço de audiodescrição e/ou de Língua Gestual Portuguesa devem ser dirigidas para: Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar.

De 22 a 26 (quarta a sábado às 21h e domingo às 17h30).

A entrada é livre

Regressa ao Teatro São Luiz a ópera que o inaugurou. A Filha do Tambor-Mor, de jacques Offenbach de 22 a 26 de Maio. Sempre com entrada livre.

 

 

 

 

RGPD - Regulamento Geral de Proteção de Dados

 

De acordo com o Regulamento Geral de Proteção de Dados, os dados recebidos através das páginas web, serão processados informaticamente e a sua utilização destina-se exclusivamente para uso interno para responder às questões e formalizar diligências junto das entidades responsáveis. O utilizador deve ter conhecimento de que os dados inscritos irão circular numa rede aberta até ao seu registo na Base de Dados, podendo ser intercetados por terceiros. Aos utilizadores é garantido o acesso aos dados para eventual correção ou eliminação. 

A Associação Portuguesa de Deficientes não fornecerá os dados pessoais a entidades terceiras, e só em situações de necessidade de identificação para resolução das suas questões, haverá uma comunicação prévia solicitando a sua autorização para fornecer os seus dados a entidades terceiras, nomeadamente Câmaras, Hospitais, e Instituições Públicas, pelo que, a sua utilização pressupõe o conhecimento e aceitação destas condições.

 

Poderá consultar mais informações sobre o Regulamento (UE) 2016/679 do Parlamento Europeu e do Conselho de 27 de abril de 2016 e a sua aplicação em https://www.cnpd.pt/bin/rgpd/rgpd.htm 

 

Saiba mais sobre a nossa política de privacidade aqui.